Bariloche com crianças: dicas do João (4 anos), da Clara (2 anos e meio) e dos seus pais.

Posted on 06/07/2010

42



San Carlos de Bariloche ao sul da Argentina, está a 2h de vôo de Buenos Aires (do Aeroparque) e tem vôos fretados de São Paulo e Rio de Janeiro. Uma boa oportunidade para mudar completamente de paisagem e levar as crianças para conhecer a neve, ou se já a conhecem, esquiar por um preço mais acessível que na Europa ou nos Estados Unidos! A paisagem aqui é MA-RA-VI-LHO-SA, com uma bela mistura entre montanhas, lagos verdes, neve, casas de madeira. A cidade é charmosa, come-se muito bem, o câmbio está atualmente a nosso favor e os argentinos já estão tão acostumados aos brasileiros, que na alta temporada, chegam a chamar a cidade de “Brasiloche”, de tanto que esta é visitada por nossos conterrâneos! Tudo isso explica porque a cidade é um dos destinos favoritos para as famílias nas férias de julho!

A família ficou 1 semana e adorou:

Alugar um carro para passear pela região e não depender de ônibus ou táxis (“remis”): como o câmbio está valendo muito à pena (atualmente R$ 1,00 = 2,2 pesos argentinos), um Ecosport com 2 cadeirinhas e correntes para as rodas (não esquecer, pois é obrigatório na neve!) custou somente R$ 494,00 com seguro, por uma semana (fora a gasolina). Assim, a família, que além das crianças ainda viajou com uma avó, pôde circular tranqüilamente de um lado para o outro sem se preocupar com horários, colocando casacos no carro, sacolas…

O carro foi alugado na Rent a Car Bariloche, que tem site em português!

Porém, se não optarem por alugar carro, saibam que a cidade é bem servida por ônibus, que não custam caro, e por táxis, que muitas vezes podem ser agendados do hotel (por exemplo, para subir para Cerro Catedral).

Para se hospedar, a família escolheu o Hotel Villa Sofia (com site em português) onde ficou em um bangalô com cozinha, o que foi bem prático com as crianças para esquentar, lavar as mamadeiras.

Além disso, o Hotel ainda tinha uma piscina coberta e aquecida, uma pracinha com brinquedos de madeira e um lago com patos…tudo para divertir as crianças!

No quesito roupas, saibam que roupas de frio são bem diferentes de roupas para a neve, como já foi dito neste post aqui! Antes de conhecer a neve, eles trataram de se equipar na própria cidade, pois os preços são mais competitivos, tem mais opções de lojas e para as crianças pequenas, é onde vão achar roupas mais facilmente. É possível comprar, alugar ou até comprar de segunda mão (brechó), o que também pode ser uma boa opção. Para o João, eles acharam casaco e camisetas de manga comprida tipo “segunda pele” na loja La Bolsa Del Deporte, que não tem site, mas fica na Diagonal Capraro 1081, tel (02944) 433431. Achei este comentário aquiem espanhol, sobre a loja. O bacana é que ela vendia roupas novas ou usadas para as crianças.

Para a Clara de 2 anos e meio, só encontraram roupa na loja They & They, no Shopping Patagônia. Compraram calças compridas impermeáveis e casaco. As luvas foram compradas no Cerro Catedral.

De casa mesmo, levaram casacos de lã, gorro, cachecol, meia-calça de lã, luvas de lã (que não servem para a neve, pois ficam molhadas!), mas servem na cidade. E saibam que devem alugar também botas específicas para a neve, pois tênis ou outras botas escorregam muito na neve ou no gelo, além de molhar e não proteger os pés!

Dica: sempre levavam uma mochila com uma troca de roupa, 2ª pele, meias, casacos de lã…para poder trocar, caso as crianças se molhassem. Além disso, não esqueçam do filtro solar, manteiga de cacau para os lábios e óculos, por causa do reflexo que é muito grande na neve.

Devidamente equipados, a família partiu finalmente para conhecer a neve!

Eles adoraram os 3 Cerros (colinas) da cidade, que são diferentes entre si e merecem todos uma visita!:

Cerro Otto (1.405 m de altitude): este é o mais perto do centro da cidade, fica a 5 km e tem um teleférico com cabines fechadas para 4 pessoas, para subir. No caso, eles foram de carro, mas se quiserem é possível agendar este passeio (de ida e volta) no centro da cidade, de onde partem ônibus vermelhos específicos. Eles levam até o teleférico. A subida é íngreme e mais demorada que nos outros Cerros (12 min), porque o teleférico parte desde a base na cidade e sobe passando por cima de casas, florestas…mas como a cabine é fechada, vocês estão protegidos contra vento, chuva ou neve e a vista é simplesmente maravilhosa, vê-se o Lago Nahuel Huapi bem de frente. Lá em cima, a diversão é tomar um chocolate quente na confeitaria que é rotativa! Sim! Ela gira bem devagarzinho, faz 360° a cada 20 mn…é quase imperceptível, mas se conseguirem uma mesa perto da janela, verão que a paisagem varia!

Pode-se passear em volta do restaurante, tirar foto com o cão São Bernardo, brincar com a neve, fazer bonecos, e tirar muitas fotos!

Cerro Catedral a 19 Km da cidade é o maior centro de esqui da América Latina! Programem-se para passar o dia inteiro!

Dá para chegar em Cerro Catedral de ônibus, táxis ou carro. A estação é como um vilarejo, com vários restaurantes, hotéis, lojas onde alugar roupa e material de ski, escolas para marcar aulas, como na Escuela Xtreme(só de olhar o site em português, já dá para imaginar o seu pimpolho na situação! Muito fofo!). Tem até Kids Club, onde as crianças podem ficar brincando enquanto os pais, já acostumados, descem as pistas de ski.

No caso desta família, as pistas ainda não estavam abertas, só abriram em meados de junho, mas foi uma boa opção, pois os lugares não estavam cheios, não fizeram fila para pegar os teleféricos e já que a intenção era ver a neve pela primeira vez, as crianças puderam aproveitar sem se preocupar com eventuais esquiadores que, por vezes, chegam em alta velocidade! O divertido aqui foi mexer na neve, brincar de trenó, skibunda, que pode ser alugado.

Existem diversos restaurantes na estação, mas para almoçar com uma vista deslumbrante, vocês podem pegar o teleférico e subir até a parte central, onde tem uma lanchonete para tomar um chocolate quente. E, emocionante mesmo, é continuar subindo com cadeirinhas, até o cume, onde existe o Refugio Lynch, o restaurante mais alto da Patagônia (1.900m de altitude!), um chalé de madeira super acolhedor. Dali, a paisagem “é toda para baixo”, não se vê mais nada para cima, além do céu! Provem o delicioso “hamburguesa”, e para queimar as calorias, brinquem na neve em volta do chalé!.

No site do Cerro, é possível saber preços de aluguel de equipamento de ski e snowboard, tarifas para subir e pode-se até imprimir o mapa das pistas.

Outro site que também pode ser consultado é este aqui, e com todas as informações em português.

Cerro Campanário (1.050 m de altitude): o mais afastado do centro da cidade, mas que oferece uma das melhores vistas da região, com o visual de vários lagos! Aqui, sobe-se de teleférico com cadeiras duplas, por isso, escolham fazer este passeio em um dia bonito, sem neve ou chuva! De lá de cima, realmente a vista é maravilhosa! Se estiverem com frio, existe uma confeitaria chalé muito charmosa, com grandes janelas de vidro para ver o visual, bem protegidos!

Um pouco após o Cerro Campanário, a família gostou de visitar a região e foi até o Llao Llao, um dos melhores hotéis da região, que fica dentro do Parque Nacional de mesmo nome, frente ao lago Moreno. Este hotel tem 3 restaurantes abertos ao público. Eles optaram pelo Café Patagônia, um restaurante todo de madeira, com vista panorâmica para os lagos. Apesar do preço ser um pouco mais caro que os restaurantes dos outros dias, com o câmbio, acabou ficando uma “extravagância” absolutamente acessível!

Eles adoraram a comida, a sobremesa (um delicioso creme de leite!), o lugar, a vista e as crianças brincaram bastante no gramado em frente ao Hotel e ao lago.

Passar o dia na Colônia Suíça, uma região à beira dos lagos Morenos a 25 Km de Bariloche. Trata-se de um vilarejo cheio de córregos de água límpida, com casas de madeira, vários restaurantes, lojinhas, casas de chá. Aqui, eles almoçaram no restaurante Las Siete Cabritas, um restaurante encantador, todo de madeira, com uma entrada com imitação de raízes de árvores, como em um conto de fadas ou de duendes! O menu foi fondue de queijo, mas em vez de mergulharem pedaços de pão, a especialidade era mergulhar pedaços de salsicha alemã! Uma delícia!

Outro lugar onde eles recomendam passar o dia é na Villa La Angostura, a 82 Km de Bariloche, do outro lado do lago, no Parque Nacional Nahuel Huapi. A cidade é pequena, charmosa, cheia de lojinhas e restaurantes e uma opção mais tranquila fora dos agitos de Bariloche. Daria para passar mais de um dia, tantos são os passeios a fazer: conhecer os lagos, as margens de areia preta, as cascatas, o Cerro Bayo, para ver mais neve ou pegar um barco aquecido e confortável para conhecer o imperdível Bosque de Arrayanes, que se tornou famoso porque foi onde Walt Disney se inspirou para fazer o filme “Bambi”! O bosque tem árvores cor de canela e uma casinha de chá de madeira, a Disney’s cabin que parece de desenho! Muito lindo!

E no centro de Bariloche, chamado de Centro Cívico, aproveitem para ver a bela Catedral, o Museu da Patagônia, que expõe a fauna e a flora da região, tirar fotos com o cão São Bernardo e comprar chocolates no Mamuschka, na rua principal. A visita da loja já vale à pena: toda vermelha, cheia de bonequinhas russas!

Eis uma bela maneira de fazer uma viagem realmente especial e diferente! E mesmo se, aparentemente, as crianças podem esquecer da viagem, vocês sempre lembrarão dos sorrisos e empolgação da primeira vez que elas viram a neve!

 

Viagem feita no final de Maio de 2010: uma boa época para ver neve sem pegar muito frio. As pistas ainda não estavam abertas, os preços mais baixos, e como não havia tanta neve na cidade, as estradas não estavam escorregadias.

 

Para maiores informações:

Portal de Bariloche (em espanhol): www.bariloche.com.ar

Outras leituras que valem à pena: 

o blog Vamos para Bariloche,

este post do blog Feito à Mão, onde a Cláudia, de Maceió, conta com riqueza de detalhes e fotos, a viagem em que suas duas filhas conheceram a neve em Bariloche! Imperdível!

E este mês, Bariloche está na capa da revista Viagem e Turismo! A matéria está muito boa, cheia de dicas e fotos, inclusive de como se vestir! Parte da matéria aqui.

Outras opções de hospedagem:

Bariloche tem opções para todos os gostos e bolsos, procurem aqui.

Uma opção fora do agito da cidade é a Pousada Pajaro Azul, já no caminho para Cerro Catedral. Uma pousada com vista para o lago, com restaurante e mantida por um simpático casal! (site em português): aqui

Outra hosteria, desta vez bem do lado do Centro Cívico, a Hosteria Tirol: aqui

E se a família for grande, vocês também podem alugar um bangalô, Bungalows Prema: aqui

E caso não tenham tempo de conhecer Cerro Catedral, ou quiserem conhecer uma estação menor com crianças, tentem visitar a pequena Estação de ski Piedras Blancas: aqui

 

 

Venha curtir o VP no Facebook: Viajando Com Pimpolhos

Compartilhar dicas no nosso grupo do Facebook de Viagens em Família

e seguir o VP no twitter: @viagempimpolhos

Gostou desta viagem? Não esqueça de dar a sua opinião, clicando nas estrelinhas abaixo para ranqueá-la! 😉

Anúncios
Posted in: Argentina, Bariloche